1 de mar de 2015

Material Complementar - Trabalhando Tecidos


Tecidos com Pêlos

Estes tecidos pertencem ao grupo de estrutura com pêlos. Há uma rica variedade deste tipo de tecido, podendo ser de fibras naturais ou artificiais. Podem ser veludos, pelúcia, peles ou imitação de peles. Podem ter pêlo curto, com a superfície aveludada, com pêlos com menos de 3mm; ou pêlo longo com superfície com pêlos com mais de 3mm. Cada tipo deste tecido precisa de cuidados específicos. Os veludos podem ser feitos de seda, de acetato e ou de raiom.


  • Risco e corte
Nos tecidos de pêlo curto, você pode cortar com sentido do pêlo para cima, para obter um efeito de cor mais viva, e com sentido do pêlo para baixo, para obter um tom mais opaco; Nos tecidos de pêlo longo, corte sempre com o sentido do pêlo para baixo. Coloque as partes do molde sempre sobre o lado avesso do tecido; Risque cuidadosamente as partes do molde com giz e corte rigorosamente em cima da linha riscada. Separe as partes e identifique todas do lado avesso para não confundi-las.
  • Montagem
Antes de costurar, prenda as partes com alfinetes ou alinhave; Mantenha as margens de costura regulares; Costure apenas uma vez, pois se a costura for desfeita, deixará marcas no tecido; Deve-se utilizar uma agulha fina de ponta arredondada (ponta bola); As costuras devem ser feitas de preferência seguindo o sentido do pêlo; Para os tecidos de pêlo alto, deve-se tomar também o cuidado de regular a tensão da máquina e aumentar o comprimento do ponto; Nos tecidos de pêlo alto, elimina-se o excesso de volume nas margens de costura aparando o pêlo neste local; Para os veludos, recomenda-se o acabamento da bainha com debrum, podendo este ser uma tira de tule. Em seguida vira-se a bainha e costura-se com um ponto invisível.

  • Passar a ferro
Para passar o veludo de algodão a ferro, coloca-se uma pano tipo flanela ou sarja e por cima deste outro tecido de algodão cru, e sobre este é que o ferro será passado; Para passar o veludo de seda ou sintético, coloca-se o ferro com a base para cima e desliza-se suavemente sobre este o avesso do veludo. Quando se tratar de abrir costuras, dá-se com o ferro em temperatura baixa, ligeiras pancadinhas sobre a costura, pelo lado avesso da peça; Tome cuidado para que a temperatura do ferro esteja sempre baixa, pois temperaturas elevadas podem derreter o veludo. Durante a montagem, passe a peça a ferro o menos possível, e quando o fizer faça sempre pelo avesso; Da mesma forma, passe os tecidos de pêlo alto pelo avesso, fazendo o mínimo de pressão para evitar amassar o pêlo. Para abrir costuras, utilize o bico do ferro ou apenas os dedos.

Tecidos lisos e transparentes

  • Risco e corte
Estenda o tecido sobre uma superfície plana e lisa; Prenda as partes do molde ao tecido com alfinetes finos ou corte as partes do molde em papel de seda e una-as ao tecido por alinhavos, costurando papel e tecido juntos, para que o tecido não deslize; Se for riscar o tecido, faça-o sempre pelo lado avesso; Quando o molde tiver partes de contorno bem definido, corta-se em papel de seda, já com as margens, alinhavando em seguida estas peças ao tecido e recortando tudo junto; Ao costurar as partes, deve-se manter o papel de seda, só retirando este após ter terminado de unir as partes.

  • Montagem
Costure apenas uma vez, pois os pontos depois de retirados deixam marcas no tecido. Para isso é necessário alfinetar ou alinhavar sempre as partes antes de unir; Deve ser manuseado com cuidado, pois amarrota, suja e desfia com facilidade. Para evitar que o tecido escorregue ao costurar, coloque tiras de papel de seda entre o tecido e o impelente; Ajuste o comprimento e a tensão do ponto para evitar que o tecido franza com a costura. A tensão deve ser reduzida e o ponto deve ser pequeno; Para evitar que o tecido estique, prenda sempre as partes com alinhavos; Use agulha de máquina fina de ponta arredondada; Os detalhes de montagem nos tecidos transparentes devem ter acabamento perfeito, por serem visíveis do lado direito. Nestes casos, pode-se recorrer a costuras francesas ou debruadas; Os tecidos transparentes podem ser arrematados com uma simples bainha virada. Nos tecidos mais maleáveis, pode-se aplicar uma bainha em rolinho. Estas bainhas podem ser feitas à mão ou à máquina, com o auxílio de um pé calcador-embainhador.

  • Passar a ferro
Passe a seco, pois a água pode manchar o tecido; A tábua de passar deve ser coberta com um tecido macio e a temperatura do ferro deve ser sempre baixa; O ferro só deve entrar em contato direto com o tecido quando for necessário. Utilize um tecido de algodão para proteger enquanto passa. Para abrir as costuras deve-se usar apenas a bico do ferro, sem pressionar; Antes de passar, faça um teste num pequeno retalho, para saber se o tecido tem a tendência a encolher ou franzir ao ser passado;


Tecidos com elastano 


Atualmente a Indústria Têxtil tem produzido tecidos finos como crepes, veludos e rendas com fios de elastano, para dar mais aderência e conforto às roupas mais sofisticadas. Porém, a utilização destes tecidos é bem mais difícil. São precisos alguns cuidados no corte e na montagem das peças feitas com tecidos que contenham fios de elastano.

  • Risco e corte
Estenda o tecido sobre uma superfície plana e lisa, com cuidado para não esticá-lo; Prenda as partes do molde ao tecido com alfinetes finos, pois os alfinetes mais grossos podem romper os fios de elastano e deixar marcas no tecido; Se o tecido tiver a tendência a deslizar, corte as partes do molde em papel de seda como já foi explicado acima; Se for riscar o tecido, faça-o sempre pelo lado avesso;
  • Montagem
Para evitar que as costuras arrebentem, utilize linha adequada ao tipo de fibra do tecido e agulha fina de ponta arredondada; Nos locais onde a elasticidade não for conveniente (como nos ombros, por exemplo), costure uma fita de tecido como reforço; Para que as partes não estiquem ao serem costuradas, alinhave antes e se for preciso, faça pontos de fixação em locais estratégicos;

  • Passar a ferro
Manuseie suavemente o tecido, para evitar que este se distenda ou deforme; Para evitar que as margens das costuras deixem marcas do lado direito, coloque tiras de papel por baixo destas; Use ferro com temperatura baixa.


Tecidos com fios metálicos 

Os tecidos para noite ganham um glamour a mais quando têm em sua trama fios metálicos, o que lhes confere brilho e um aspecto luxuoso. Estes fios metálicos são geralmente muito frágeis e é preciso atenção para não danifica-los.

  • Risco e corte
Estenda o tecido sobre uma superfície plana e lisa; Ao cortar o tecido tenha cuidado para não puxar ou deformar os fios metálicos durante o corte;

  • Montagem
Costure apenas uma vez, pois os pontos depois de desmanchados deixam marcas no tecido; Para evitar que os fios metálicos se partam ao costurar, utilize uma agulha fina e por precaução, verifique sempre se a sua ponta está em forma; Forre a peça para evitar que os fios arranhem a pele.

  • Passar a ferro
Passe o a seco, pois os fios metálicos perdem o brilho pela ação do vapor; Passe com o ferro em temperatura sempre baixa.


Rendas


A renda é um tecido de trama muito aberta, geralmente combina estrutura de enredamento e bordados com ou sem relevo. As rendas podem ser leves ou pesadas.
  • Risco e corte
Corte a renda procurando conservar todos os desenhos na mesma direção, de forma que haja uma continuidade sem interrompê-los; O forro deve ser cortado em primeiro lugar. Deve ser de uma cor harmoniosa com a renda e a composição de sua fibra também tem que ser compatível com a renda que será utilizada; Corte a renda de acordo com o forro e transfira todas as marcações para o forro. Uma boa opção é riscar as partes do molde em papel fino, prendendo o papel à renda com alfinetes e cortar os dois juntos. Depois de cortadas as partes, retire o papel; Risque cuidadosamente as partes do molde com giz sobre o forro, cortando em cima da linha riscada. Separe as partes e identifique todas do lado avesso do forro e prenda com alfinetes as partes de renda e de forro correspondentes, para não confundi-las. Da mesma maneira que a renda leve deve ser cortada procurando conservar todos os desenhos na mesma direção, de forma que haja uma continuidade sem interrompe-los. Os desenhos nas costuras laterais e nos ombros devem ser harmoniosos; Todas as marcas de costuras devem ser feitas pelo avesso da peça, através de alinhavos

  • Montagem
Para evitar que a renda deslize ao costurar, coloque tiras de papel de seda entre o impelente e o tecido; Use agulha de máquina “ponta bola” nº 11 e de mão nº 10, bem fina e longa, se a renda for fina. Se a renda for mais pesada, pode ser usada uma agulha mais grossa; Se for colocar forro solto, todas as costuras feitas na renda devem ter acabamento perfeito. Para isso, pode-se recorrer a costurar debruadas; Se a renda exigir forro preso, este deve ter a função de entretela, de forma que a renda se uma a ele, formando uma tela única. O forro deve ser preso à peça por meio de alinhavo diagonal, sobre uma superfície plana; A bainha deve ser feita com todo o cuidado, de forma a manter o desenho na posição certa. Nas rendas pesadas, a barra pode ser recortada, aproveitando o contorno do desenho; Para bainhas em renda pesada, recomenda-se uma bainha postiça. Para uma renda leve, recomenda-se a bainha em rolinho ou a aplicação de uma tira para reforçar. Pode-se ainda optar-se pela aplicação de uma renda decorativa como arremate da bainha, costurada com ponto de luva ou zig-zag. Algumas rendas permitem que se recorte o contorno dos motivos, sendo isso suficiente para o acabamento da barra.
  • Passar a ferro
Proceda cautelosamente ao passar peças com renda. A temperatura do ferro deve ser correspondente à fibra; A renda deve ser passada o menos possível, pelo avesso, protegida por um tecido; A tábua de passar deve ser bem acolchoada, por causa da delicadeza da renda.





Relação Tecido, Agulha e Ponto

 Para obter os melhores resultados, escolha sempre uma agulha de número e ponta adequados ao tecido. A agulha mais fina é de nº 9 e a mais grossa é de nº 18. Quanto mais leve o tecido, e mais fina a linha, mais fina deverá ser a agulha. Você deve ter em mente que cada máquina de costura tem o seu tipo específico de agulha, portanto, antes de colocar a agulha procure ter certeza de que esta é adequada à máquina. Existem também agulhas duplas ou triplas, para fazer costuras decorativas.  Partes da agulha:



  • Tronco ou cabo: é a parte superior da agulha;
  • Lâmina ou haste: trata-se do corpo da agulha;
  • Concavidade: é a reentrância que há por trás do fundo da agulha. Serve para facilitar a passagem da linha;
  • Buraco ou fundo: está situado imediatamente acima da ponta;
  • Ponta: é a parte que penetra no tecido, formando a costura;
  • Fresado: é uma ranhura que há em um dos lados do tronco, para facilitar o desdize da linha, sendo portanto, o lado pelo qual a linha deve ser enfiada. Tipos de pontas:
  • ponta fina: utilizada mais freqüentemente, é a agulha “comum”. É indicada para todos os tipos de tecidos.
  • ponta arredondada: é especialmente indicada para costurar todos os tipos de malhas, pois não rompe os fios de elastano . Também pode ser utilizada em tecidos finos e delicados.
  • ponta facetada: esta agulha é indicada para costurar couro e materiais vinílicos. O quadro abaixo tem as indicações de agulhas, linhas e comprimento de pontos adequados aos vários tipos de tecidos:




Peso e tipo de tecido
Linha
Comprimento do ponto
Agulha
Tipo
Tamanho
Delicado – tule, chiffon, renda fina, organza, veludo de seda.
Linha fina de poliéster, náilon ou algodão.
1 – 1,5
2020
15 x 1
9
Leve – cambraia, organdi, voal, tafetá, crepe, veludo de seda, plástico fino, cetim, seda macia, palha de seda, shantung, brocado.
Poliéster misto com algodão
100% poliéster
Algodão mercerizado 50
Náilon “A”
Seda “A”
1 – 1,5
2020
15 x 1
11
Médio – algodão leve, linho, madras, percal, pique, chitz de linho, faile, veludo cotelê fino, veludo de algodão, casimira, vinil, tecidos de veludo, lã fina, sarja.
Poliéster misto com algodão
100% poliéster
Algodão mercerizado 60
Algodão 60
Seda “A”
1,5 – 2
2020
15 x 1
14
Médio-pesado – gabardine, tweed, lona, linha ou algodão grosso, sarja de Nîmes, tecidos para casacos, tecidos de cortinas, vinil, tecidos reforçados, algodão cotelê, tecido trama fechada.
Poliéster misto com algodão
100% poliéster
Algodão mercerizado grosso
Algodão 40 a 60
1,5 – 2
2020
15 x 1
16
Pesado – tecidos para sobretudo, tecidos de estofamento, lona grossa.
Poliéster misto com algodão
Algodão mercerizado grosso
Algodão 40
3 – 4
2020
15 x 1
18
Malhas e tecidos elásticos –malhas duplas, malhas fechadas, spandex, tricô de náilon, tricô oleado, jérsei, pelúcia aveludada, veludo tipo helanca.
Poliéster misto com algodão
100% poliéster
Náilon “A”
Algodão mercerizado 50
Seda “A”
2,5 – 3
2045
Ponta redonda (faixa amarela)
14
Couros – camurça, pelica, couro verniz, cobra, couros forrados, couros naturais e couros sintéticos.
Poliéster misto com algodão
100% poliéster
Algodão mercerizado 50
Náilon “A”
Seda “A”
2,5 – 3
2020 15 x 1
Ponta facetada
11
14
16
Comentar com Facebook

Outros Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário